As incertezas seguem sendo protagonistas em relação à volta do futebol no país. No Rio Grande do Sul há um movimento para que o campeonato volte no próximo mês, o que ainda é apenas previsão e espera-se por definições.

Foto: Michel Corvello

Nesta terça-feira (23), a prefeita de Pelotas, Paula Mascarenhas, falou sobre o assunto e declarou opinião contrária ao retorno do Gauchão em julho.

“Não vejo como retomar, na situação atual que vive o Rio Grande do Sul, o Campeonato Gaúcho no mês de julho. Vou respeitar a decisão que vai ser tomada lá em Porto Alegre pelo governador. Obviamente, que se voltar o futebol vou ter dificuldades de impedir os times de treinar, pois não estamos na bandeira mais gravosa. Há outras regiões com bandeiras mais gravosas e se voltar o campeonato voltará em todo o estado. Mas, se me perguntarem, se o estado resolver ouvir os prefeitos, eu acho que não tem como no mês de julho. Estamos sentindo que julho será o mês mais difícil no estado. Os casos estão aumentando”, afirmou.

O protocolo elaborado pela Federação Gaúcha de Futebol, apresentado na semana passada para o governo, prevê a retomada da competição para o dia 19 de julho. O documento está em avaliação e esperando a aprovação do estado.

No momento em que a cidade tem os primeiros óbitos contabilizados e vê a prefeitura da capital voltando atrás em relação a decretos como a abertura do comércio, a prefeita mantém o discurso de cautela.

“Como em um contexto desses vamos voltar a jogar futebol? Em um campeonato que exige o deslocamento de grandes grupos de pessoas, mesmo desconsiderando os torcedores, que não vão participar, tem os jogadores e equipes técnicas. Esse deslocamento de pessoas de uma região para outra, sem contar que alguns jogadores vêm de fora do estado, acho uma loucura”, avaliou.

A prefeita aproveitou para elogiar a postura dos dirigentes da dupla Bra-Pel. “Acho uma irresponsabilidade (voltar) e já disse isso para os nossos clubes aqui, aliás, acho que concordam comigo. Não quero falar por eles, mas eles têm tido uma postura muito responsável e muito digna. Quero elogiar o Gilmar e o Ricardinho, realmente estão sendo gestores preocupados com a saúde dos atletas e trabalhadores. Eles não têm me pressionado, pelo contrário, tivemos uma conversa e estamos aguardando essa definição”, comentou.

Para encerrar, Paula afirmou que não pretende liberar os treinos antes de julho. “Ainda mais agora que a nossa bandeira se agravou. Acho que não é o momento e espero, com muita ênfase, que o campeonato só volte em agosto”, desejou.

Opinião dos dirigentes
Em entrevista nesta terça-feira (23) ao Diário Popular, o presidente Gilmar Schneider demonstrou uma opinião parecida com a da prefeita. O dirigente áureo-cerúleo teve um posicionamento firme contra a retomada precipitada do futebol.

Foto: Tales Leal / AI Pelotas

Embora o elenco do Pelotas já esteja praticamente completo e as finanças do clube dependam do futebol ativo, Gilmar não vê necessidade em tomar decisões prematuras.

“A situação pode mudar a cada semana. Estamos acompanhando o dia a dia, não adianta fazer grandes projeções. O certo é que o Pelotas está com o grupo praticamente montado e acompanhando todas as manifestações do governo do estado e da prefeita para ver o que é possível fazer”, disse ao jornal.

Gilmar completou ainda dizendo que o ideal seria recomeçar o estadual já com uma previsão de início para as competições nacionais, o que colaboraria com a logística e planejamento dos clubes.

Foto: Victor Lannes

Pelo lado do Xavante, em entrevista recente à Rádio Universidade o vice-presidente de futebol, Giovanni Alcântara, também adotou a postura de cautela em relação ao retorno do Gauchão.

O dirigente traçou os primeiros passos a serem realizados quando os treinos forem liberados. “Vamos ter que atuar em duas frentes, primeiro junto à prefeitura, para que ela libere os treinamentos em Pelotas. Estabelecendo uma data de liberação dos treinamentos, aí começamos a organizar a volta dos jogadores que não estão em Pelotas, assim como a comissão técnica que também não está em Pelotas”, disse.

Volta aos treinos
Alguns clubes do Gauchão optaram por retornar aos treinamentos, a dupla Bra-Pel tem sido cautelosa, e junto da prefeitura, optou por não expor seu elenco nesse momento de incógnita e ter que voltar atrás.

Após o governo dar um sinal positivo para o retorno das atividades, o Pelotas exigirá que seus atletas contratados (o clube projetou em um total de 18) realizem os testes em suas respectivas cidades antes de se deslocarem a Pelotas.

Sobre a questão dos clubes que voltaram a treinar e já tiveram problemas com atletas infectados, Gilmar ressaltou. “Se os grandes clubes que possuem todo um protocolo e uma estrutura para manter os jogadores afastados têm problemas, em um clube como o Pelotas a dificuldade é muito maior”, comentou.


Colaborou: Felipe Monterosso

 

 

Deixe uma resposta