A parada na Série B para a Copa América servirá para a maioria das equipes se reforçar, seja por contratações ou pela recuperação de lesionados. No caso do Brasil, por enquanto, os reforços mais próximos são os que vêm do departamento médico, mas sem empolgar muito.

Já recuperado, Pará, que era titular, passa a ser alternativa na lateral e, provavelmente, seja reserva Sousa, que de improvisado passou a solução na lateral esquerda. O meia Pereira, pelo tempo que ficou parado, não pode gerar muita expectativa. É bom jogador, mas a tendência é que demore um pouco para voltar a jogar em alto nível.

Sempre que questionada, a direção do Brasil reitera a intenção de contratar. Mas, sem recursos, é difícil imaginar reforços que realmente façam a diferença.

Zimmermann demostra que Grampola e Bruno Paulo não jogarão juntos
É apenas o recomeço e, muitas vezes, os amistosos não refletem exatamente a ideia de time nos jogos valendo. No entanto, pelas escolhas de Zimmermann diante do São José, diferentemente do que considero o ideal, Rafael Grampola e Bruno Paulo seguirão disputando uma vaga entre os titulares.

Bruno Paulo, até mesmo quando inicia centralizado, rende mais quando troca o posicionamento e atua pelas extremas. Ele mesmo faz sempre questão de dizer que rende mais jogando pela beirada.

Ainda que não esteja na lista de prioridades da direção, vejo como uma das principais carências do grupo um atacante de área. Rafael Grampola é o único jogador específico da função e, até agora, ainda não rendeu o esperado.

Início das obras da nova arquibancada
O sonho parece estar se aproximando da concretização. Finalmente, com muito esforço da direção de patrimônio xavante, foi desmanchada parte da arquibancada móvel no lado da Juscelino Kubitschek. O processo não será muito rápido, mas o início da obra ocorrerá em breve e, após a conclusão, além de melhorar muito na parte estética do estádio, representará uma grande economia sem a necessidade das móveis.

Deixe uma resposta