Arte: Rede Esportiva

Embora ainda seja novo na função, o técnico Bolívar já é muito experiente no futebol. A carreira norteada por conquistas e liderança contribui muito para a atual profissão.

Não tenho dúvida que essa oportunidade no Brasil poderá ser o passaporte para que definitivamente entre no mercado intermediário do futebol brasileiro.

Vejo que ele está aproveitando bem. Claro que precisa evoluir. Mas assumiu com a responsabilidade de substituir Rogério Zimmermann, o maior ídolo da história recente do Xavante, e sempre demonstrou muita personalidade.

Bolívar é do tipo que não foge das perguntas. Responde com sinceridade sem perder a elegância. Peca, na minha opinião, ao expor algumas falhas individuais. Porém, pelas reações nos jogos, a afinidade com o grupo parece ser grande.

Ele sabe valorizar as virtudes dos mais experientes e líderes do grupo, mesclando com oportunidades aos jovens.

Evidente que o momento é de garantir a permanência na Série B, mas já é importante também começar a pensar em 2020, começando pela renovação do técnico.

Xavante se aproxima do objetivo

Após quatro resultados ruins, sem vitórias, o Brasil partiu para dois jogos fora de casa e, com base no retrospecto recente, não alimentava muita esperança por resultados positivos.

No entanto, vieram uma vitória de virada diante do Operário e o empate com o Criciúma. O ânimo mudou totalmente e, os mais otimistas, já sonham até com o acesso.

O time ainda oscila, mas é normal pela limitação técnica do grupo. O primeiro tempo contra o Operário não foi bom, mas a bola parada, um dos pontos ofensivos mais fortes da equipe, foi decisiva para a virada. Contra o Criciúma o primeiro tempo já foi melhor que o segundo, com Diogo Oliveira jogando muito.

Mesmo com todas dificuldades já conhecidas, o time compete muito. As vezes falta técnica, mas nunca luta e esse vai ser o diferencial para permanência na Série B.

Sempre se fala em honrar a camisa, jogar pela torcida e outras expressões de efeito comuns no futebol. Eu vejo o grupo do Brasil muito profissional, que respeita o clube e, principalmente, sabe da importância para o próprio elenco, de manter o Brasil, entre os 40 melhores do país.

Trabalho da base começa a ganhar mais destaque

O resultado de campo não é o mais importante no trabalho de base, mas é evidente que formar vencendo é mais fácil.

No último sábado a equipe sub-17 do Brasil empatou em 0 a 0 com o Progresso e, com a vitória por 1 a 0 no jogo de ida das quartas de final, avançou a semifinal no Gauchão da categoria.

Excelente resultado, não só por já estar entre os quatro melhores do estado, mas também por ter eliminado a forte equipe do Progresso, que chegou nas duas últimas finais da competição.

Além da categoria sub-17, a equipe sub-19 vai bem na Copa do segundo semestre e conquistou a competição do ano passado.

No entanto, o mais importante é que o profissional está valorizando a base e alguns jovens já estão ganhando oportunidade no grupo principal.

 

Um comentário

  • Fabio de Castro Caninha 09 / 10 / 2019 Resposta

    O Bolívar tem um coragem! Fazer com que o time que saia jogando de trás sem ter toda essa qualidade é temeroso mas é como tem que ser!!
    Bancar e trocar os jogadores conforme o jogo, o time titular é o grupo!! tbm é bonito de se ver ele tem um pouco da teimosia de técnicos da velha guarda e a criatividade e a coragem dos novos técnicos. Que se garanta na B e fique pra começar um trabalho pois pode dar frutos!!.
    e

Deixe uma resposta