Arte: Rede Esportiva

Os dois empates recentes do Brasil fora de casa, contra o Sport e o Cuiabá, podem, sim, ser considerados bons resultados. Mas precisarão vir acompanhados de vitórias nos próximos compromissos no Bento Freitas: Vila Nova, na terça, e Vitória, no sábado.

Além dos resultados, outros aspectos podem ser considerados positivos no, ainda recente, trabalho do técnico Bolívar. Diogo Oliveira entre os titulares e Bruno Paulo na extrema, embora sejam providências óbvias, não vinham sendo utilizadas por Rogério Zimmermann. Além disso, observar o garoto Cristian como alternativa real também é um grande acerto.

No entanto, mesmo que em determinados momentos ocorra a tentativa, diferentemente do que disse o atual técnico rubro-negro após o empate diante do Cuiabá, a equipe ainda não mudou a maneira de jogar. Não é um time que coloca a bola no chão e propõe jogo.

É, sim, um time que compete muito e conta com uma grande fase do goleiro Carlos Eduardo. Mas esses aspectos ainda fazem parte do legado de Zimmermann.

O atual técnico pode e deve valorizar o seu trabalho, mas não desprezar o que já havia de positivo. O passado é importante para entendermos melhor o presente e planejarmos de maneira mais adequada o futuro, evitando a repetição de erros e aproveitando o que foi feito de positivo.

Os destaques na nova fase xavante
Diogo Oliveira, além do gol marcado no empate com o Cuiabá, consegue dar mais sobriedade ao time. Tem muita capacidade técnica e, mesmo com a idade mais avançada, manteve o ritmo até o final no duelo de sábado.

O garoto Cristian atua como veterano. Entrou em jogos de alta complexidade e não parece se intimidar para realizar as jogadas. Além da vitalidade característica da juventude, é inteligente para tomar a decisão adequada na sequência das jogadas. Seguindo assim, será muito importante na campanha da Série B.

Já havia falado sobre a evolução e maturidade do goleiro Carlos Eduardo, mas, além do protagonismo técnico nos dois últimos jogos, a confiança das boas atuações possibilitou também uma imposição maior junto aos companheiros, o que é fundamental para a posição.

O volante Carlos Jatobá também precisa ser destacado. Talvez seja o mais regular do time. Sabe marcar e tem boa capacidade técnica para chegar à frente. Em meio a diversas críticas em relação às contratações da atual temporada, ele é ponto positivo para a direção.

A difícil missão de jogar em casa
Não é só o Brasil que tem encontrado dificuldades de jogar em casa na Série B. O nível técnico mediano da competição e a organização defensiva da maioria das equipes está impondo muitas dificuldades a quem precisa propor jogo. Mas o Xavante precisa ser mais forte em casa. Como já havia dito, os dois pontos conquistados fora só serão realmente positivos se vierem acompanhados de bons resultados em casa.

Deixe uma resposta