Arte: Rede Esportiva

No empate com o Sport, em Recife, Carlos Eduardo mais uma vez teve participação decisiva. A sombra dos grandes goleiros que passaram recentemente pela Baixada já pode deixar de existir.

Mesmo com a péssima campanha no Gauchão, nas estatísticas, ele esteve entre os melhores da competição. Nas 11 primeiras rodadas da Série B, também tem sido protagonista e já faz por merecer o reconhecimento da torcida.

Ao tornar-se titular, Carlos Eduardo foi bancado pelo preparador de goleiros do clube, Alex Lessa, que, além de competente, tem muita identificação com o clube e certamente optou pela melhor opção técnica.

Com Bolívar, Brasil começa a mudar o estilo de jogo
Foram apenas dois jogos sob o comando de Bolívar na Série B, mas já é possível observar uma mudança no estilo de jogo xavante.

Na estreia do técnico em casa, diante do Paraná, mesmo com a derrota por 1 a 0 o time fez uma boa partida, adiantando as linhas, provocando erros na saída de bola adversária e criando boas oportunidades de gol. O problema foi a pontaria e um erro de arbitragem que anulou um gol legítimo. O adversário também teve um gol mal anulado quando já vencia o jogo, mas “se” tivesse saído em vantagem, talvez o Xavante pudesse ter tido melhor sorte.

Fora de casa diante do Sport, o Brasil fez um primeiro tempo bom, novamente ocupando o campo adversário e com mais posse de bola. Desta vez, no entanto, pouco finalizou.

No segundo tempo, com mais capacidade técnica, o Sport cresceu, criou inúmeras situações, mas esbarrou na excelente atuação do goleiro Carlos Eduardo.

Mais para o final do jogo, o técnico Bolívar recuou a equipe e praticamente abriu mão do ataque para segurar o empate. A estratégia deu certo, o adversário perdeu as forças para atacar e por muito pouco o resultado não foi ainda melhor. Na única escapada mais consciente, o garoto Cristian armou um contra-ataque em jogada individual e tocou para Rafael Grampola marcar, mas o atacante estava em condição irregular.

Cristian merece oportunidade entre os titulares
Depois do jogo, questionado sobre a ausência de Bruno Paulo no próximo jogo por suspensão, Bolívar deu a entender que Cristian deverá ser o substituto. Se realmente for confirmado, além de fazer justiça pelo que o jovem tem apresentando, demonstrará uma valorização do trabalho da base.

O aproveitamento dos jovens formados pela base no profissional deve ser política da direção. O elenco deve ser formado contabilizando os jovens com capacidade como opção e com igual oportunidade aos mais experientes.

Deixe uma resposta