Torcida mista
A confirmação da torcida mista no clássico deste domingo (17) dividiu opiniões entre os torcedores da dupla Bra-Pel. Alguns avaliam como positiva a ideia de integração entre torcedores rivais, outros, porém, interpretam como uma medida meramente midiática.

Vejo como uma excelente oportunidade de fortalecer ainda mais a marca Bra-Pel, aproveitando a ótima relação entre os presidentes e criando um ambiente de paz, sem deixar de lado a emoção e o colorido individual das torcidas.

Torcida mista II
O espaço destinado à torcida mista é inferior a 10% da capacidade do estádio. O clima que se criou por parte de quem é contrário, dá ideia de obrigatoriedade em ocupar o local. Não é isso. A maior parte é destinada ao método convencional e, como ainda vivemos em democracia, cada um ocupa o espaço que julgar mais adequado, sem raiva.

Quem entra na vaga do John Lennon
O técnico Diego Gavilán não poderá contar com o lateral-direito John Lennon, principal destaque técnico da equipe até agora na competição. Ele tem duas possibilidades para substituir o jogador. O paraguaio Aquilino Giménez, que jogou mais improvisado na esquerda do que na sua função, ainda não teve uma atuação convincente, mas é uma delas. A outra é Adriano Lara, que foi muito bem na Divisão de Acesso e teve boa atuação quando iniciou contra o Inter, porém, não goza de muito prestígio com o treinador.

A presença de Lara me dá ideia de uma maior consistência, mas pelo retrospecto de oportunidades, o paraguaio está em vantagem.

Instabilidade xavante
O início de temporada do Brasil foi desastroso. Havia, sim, um risco calculado em função do curto período de preparação, mas a expectativa em cima das contratações e do técnico era positiva, com evolução a médio prazo que não se confirmou.

Boa parte do grupo não conhecia a pressão que é jogar aqui e ainda não assimilou. Com Gustavo Papa e Cirilo no comando, o time parecia ter ganho estabilidade, mas nos dois últimos jogos voltou a demonstrar insegurança e não reagiu bem à pressão da torcida e dos resultados. O principal desafio é reverter essa situação. Não acho o grupo tão ruim quanto os resultados. O problema maior é instabilidade emocional, que tem sido decisiva nos jogos.

Deixe uma resposta