Arte: Rede Esportiva

Dupla em estado de alerta

Pelo que apresentaram até agora no Gauchão, Brasil e Pelotas não dão muitas esperanças aos torcedores por algo melhor na competição. Claro que está só começando, mas é um campeonato curto e muito equilibrado. Quem arranca mal, geralmente sofre até o final.

Mais do que os resultados ruins, as fracas atuações de ambos nas duas primeiras rodadas, é o que mais preocupa para a sequência.

Se puder escolher, acho melhor vencer do que jogar bem, óbvio! No entanto, tanto Brasil quanto Pelotas, além de não ter vencido ainda, jogaram muito mal e, por isso, a preocupação aumenta.

Melhorar o coletivo para crescerem as individualidades

Como iniciou mais tarde que a maioria das equipes, o Brasil ainda pode usar como justificativa para o mau desempenho, a falta de ritmo de jogo e entrosamento. Porém, além dessa dificuldade coletiva natural, até agora pouco se viu em termos de qualidades individuais.

Não há como ter analise definitiva sobre a qualidade dos reforços em dois jogos. A expectativa é que, na medida em que o entrosamento for aumentando, a futebol apresentando por alguns jogadores também evolua.

Hoje contra o Esportivo a vitória será fundamental para tranquilizar um pouco. Se jogar melhor, ótimo. Mas o mais importante é vencer.

Arrumado, mas sem intensidade

Nas duas primeiras rodadas o Pelotas até teve organização no posicionamento, mas quando tem a posse de bola, parece não saber o que fazer.

O primeiro jogo contra o Novo Hamburgo, na Boca do Lobo, era de se prever dificuldades de infiltração, pelas características defensivas do técnico adversário, Júlio Camargo. Porém, a falta de mobilidade e velocidade no passe, deixaram o time sem produção ofensiva e ainda deram a condição do adversário crescer.

Mudando a característica do jogo e diante de um time muito melhor, a fragilidade se escancarou contra o Internacional.

Jogando apenas para se defender, o Lobo deixou o adversário praticamente o tempo inteiro com a bola e, com o passar do tempo, com muita liberdade para articular.

Principalmente depois que sofreu o segundo gol, foi completamente envolvido e poderia ter perdido até por mais.

Diante do Ypiranga nesta noite, se ficar só esperando, a tendência é de uma nova derrota. É fundamental também atacar para dificultar a vida do adversário.

 

Deixe uma resposta