Imagem: Rede Esportiva

A retomada do Brasil ao futebol, após a pausa em função da pandemia, apresenta números extremamente preocupantes para o torcedor. Entre reta final do Gauchão, Copa do Brasil e início da Série B, foram nove partidas e apenas uma vitória contra o São Luiz de Ijuí, ainda no Campeonato Gaúcho. Nas demais partidas foram três empates e cinco derrotas.

A Série B está só começando e o trabalho do técnico Hemerson Maria ainda é recente, mas com certeza o baixo aproveitamento até agora acende a luz de alerta na Baixada.

O resultado positivo precisa vir logo para tranquilizar um pouco mais o trabalho e amenizar a pressão que já existe em cima dos profissionais. O sucesso depende, evidente, da qualidade, mas no futebol a confiança tem uma parcela importante para uma boa sequência.

Desempenho e resultados

Que os resultados até agora são péssimos, não há discussão. Porém é preciso analisar também o desempenho da equipe e a evolução do trabalho.

Nos jogos da reta final do Gauchão, o técnico xavante aproveitou para avaliar o elenco e identificar as necessidades de contratações.

Sem confiar no que viu, optou por um início de Série B extremamente defensivo. Muito preocupado em neutralizar os adversários e, praticamente sem interesse ofensivo.

Teve jogo que a atuação do time foi constrangedora, mas nas últimas duas partidas, ainda que os resultados tenham sido de derrota, o time evoluiu.

Contra o Brusque na Copa do Brasil, mesmo com dois expulsos, conseguiu chegar mais na frente que em jogos anteriores e na partida diante do Operário já foi um time mais equilibrado.

Precisa evoluir bastante ainda, mas tem jogadores para estrear e melhorar o time.

É fundamental que a primeira vitória venha logo, não só pela pontuação necessária, mas principalmente para dar confiança ao grupo e tranquilidade ao técnico que já está pressionado.

O maior da competição

Mesmo em crise incalculável, o Cruzeiro, próximo adversário xavante, é o principal clube da Série B neste ano e favorito ao acesso.

A equipe mineira está menor tecnicamente em relação ao de costume, mas tem uma camisa muito pesada e, mesmo sem os investimentos do seu padrão, ainda está acima da maioria dos times da competição.

Esse jogo pode ser aquele que se chama de “para dar moral” ao grupo. A ausência de público tira o peso dos visitantes, mas jogar em casa sempre acrescenta psicologicamente.

Se vencer o Cruzeiro, além de melhor consideravelmente a posição e elevar o moral, diminui a pressão da torcida por mudanças mais radicais.

Deixe uma resposta