Arte: Rede Esportiva

Embora a derrota para o Paraná Clube traga certa frustração em parte da torcida, não dá para entender como surpreendente. A boa sequência recente e a pontuação acima da expectativa, alimentaram uma esperança de G-4 incompatível com a qualidade do elenco.

Ainda que a média técnica da Série B não esteja muito alta, o Brasil não apresenta individualidades que possam sustentar uma campanha aproximada da parte alta. Não resta dúvida que é um time com alma, que compete muito. Mas por outro lado apresenta dificuldades na evolução apoiada e na definição das jogadas.

O grande objetivo xavante é permanecer entre os 40 melhores do país, está muito próximo de ser alcançado e, neste aspecto, além da expectativa.

Não é só a falta de ambição que faz com que o Brasil entre na competição pensando em se manter. Falta muito ainda para se firmar como clube de Série B Nacional, principalmente na estrutura.

Gol cedo dificultou ainda mais o jogo

Contra o Paraná o Brasil iniciou o jogo perdendo. O gol cedo, antes do primeiro minuto, deixou a equipe desconcentrada. É verdade que nos dois últimos jogos fora, contra Operário-PR e Criciúma, o xavante saiu perdendo e reagiu, mas desta vez não deu.

O time foi apático, não chutou uma bola sequer no gol na primeira etapa e deu muito espaço para o adversário, principalmente no meio-campo.

Murilo Rangel, que eu considero bastante útil no esquema do Bolívar, foi muito mal. Não conseguiu ter a intensidade característica e foi várias vezes desarmado, aumentando o espaço ofensivo do adversário.

Não é terra arrasada, mas o rubro-negro precisa jogar no limite para equilibrar as ações. Nem sempre será possível e quando isso não acontece as fragilidades do grupo se evidenciam.

O jogo do próximo domingo, diante do Sport que tem uma das maiores folhas da competição e é candidatíssimo ao acesso, aumentou muito de importância.

Sub-17 muito perto da decisão estadual

Com uma vitória por 1 a 0 no primeiro jogo das semifinais do estadual diante Apafut em casa, a garotada do juvenil xavante ficou mais perto da final.

O adversário, embora não seja dos tradicionais no futebol profissional, tem um excelente trabalho de base e, com certeza, será um adversário difícil. Mas, assim como eliminou a boa equipe do Progresso na fase anterior, tem tudo para segurar a equipe de Caxias do Sul e chegar à final.

Além do excelente trabalho do coordenador da base, Fabio Borba, é preciso parabenizar também o jovem técnico Michael Corrales.

Deixe uma resposta