O resultado no primeiro teste preparatório do Brasil para a Série B, empate em 1 a 1 com o São José, não foi ruim. Empatar com o Zequinha, mesmo que este esteja numa divisão nacional abaixo, no Passo D’Areia, é sim um bom resultado. É fato também que o placar em amistoso não tem relevância, a menos, óbvio, que seja muito negativo. Mas, ter inaugurado o placar e ainda ter um pênalti desperdiçado dão indícios de uma boa produção.

Ao que tudo indica, pela dificuldade em anunciar reforços mais relevantes, o Brasil deverá buscar uma campanha de superação na Série B. No entanto, por se tratar de uma competição longa, muitas equipes vão se ajustando e montando os elencos em meio à disputa e, muitas vezes, uma base mantida representa uma boa arrancada que pode dar mais tranquilidade na sequência.

Sem reforços, atacantes devem mudar posicionamento
As informações a respeito de novos reforços ainda são imprecisas, tanto na quantidade quanto na qualidade. O que se ouve muito por parte da direção xavante é que os recursos estão escassos e a busca é por contratações pontuais, mas de forma genérica, sem especificar posições e nível dos reforços.

No sábado, o jogador da referência no ataque foi o “baixinho” Douglas Baggio. Mas, conforme apuramos, Daniel Cruz, que até agora foi quase sempre extrema, inclusive com o compromisso de acompanhar o lateral adversário, deverá ser utilizado mais centralizado. E apenas mais um reforço viria para esta função de centroavante.

A retomada da base
Reformulada, a base do Xavante recomeçou as disputas em competições regionais e estaduais já com bons resultados dentro de campo. Mas, ainda que a retomada seja recente, é fundamental que o aproveitamento dos jovens no profissional comece a aparecer. Sobram exemplos positivos, inclusive de clubes de tamanho semelhante ao Xavante. O Juventude, por exemplo aproveitou 16 jovens no elenco do Gauchão. É verdade que a equipe da Serra está na Série C, mas também já chegou à quarta fase na Copa do Brasil e fatura com diversos jogadores já revelados, atualmente em grandes clubes.

Deixe uma resposta