Imagem: Rede Esportiva

O Brasil perdeu de novo. No domingo pela manhã, no Independência, em Belo Horizonte, os comandados de Jerson Testoni perderam para o Cruzeiro por 2×0. Em mais uma atuação lamentável, o Xavante em nenhum momento conseguiu fazer frente ao time de Vanderlei Luxemburgo, que fez dois gols no primeiro tempo, e, na etapa final, apenas fez o tempo passar. Com a derrota, o Brasil chega na marca de 15 jogos sem vencer – a maior sequência negativa da história do clube – e já está distante 16 pontos do primeiro clube fora da zona de rebaixamento.

A atuação rubro negra no primeiro tempo foi constrangedora. Se em todo o jogo, as conclusões foram duas(ambas para fora), no primeiro tempo, o goleiro Fábio, do Cruzeiro, foi um espectador de luxo. Basicamente, o Brasil não conseguia passar do meio-campo. Na tentativa de abolir o balão, o Brasil esbarrava na falta de qualidade ao tentar trocar passes. E foi na falta de qualidade, que ao errar na saída de bola, levou o primeiro gol. O segundo, logo em seguida, foi na falta de qualidade mesmo. A defesa Xavante ficou olhando o Cruzeiro entrar à passes dentro da área, com todo o espaço possível e imaginável. Um terceiro gol ainda saiu, mas foi anulado.

Por sorte, o Cruzeiro – que é longe de ser uma maravilha de time – acomodou-se, sentou em cima da vantagem, e no segundo tempo literalmente parou de jogar. Enquanto o Brasil fazia uma força absurda para tentar esboçar uma reação, os mineiros trocavam passes de um lado ao outro, apenas torcendo que o tempo passasse e que a vitória chegasse, para cessar a “crise” de cinco jogos sem vitória. E mais nada aconteceu. Vitória da Raposa por 2×0, em mais uma atuação abaixo da linha da pobreza por conta do Xavante.

A grande realidade é de que o caminho para a Série C está pavimentado. O acúmulo de erros foi tanto que o rebaixamento, que está virtualmente consumado, já era previsto desde muito tempo. O Brasil precisa se organizar como clube, e repensar muita coisa para 2022.

VOLTA OU NÃO?
O período de licença médica requerida pelo presidente Nilton Pinheiro expirou ontem. Caso ele esteja bem de saúde – o que faço votos que esteja – resta saber quando Pinheiro reassumirá suas funções. Caso não haja melhora, resta saber se haverá prorrogação do pedido de licença, ou se ele já cogita renúncia. Essa resposta deve ser dada à Evânio Bandeira, novo presidente do Conselho Deliberativo, que é quem deve receber o comunicado.

MERECE PALPITE
Na noite de hoje, o líder Coritiba vai até Belém, enfrentar o instável Remo. Mesmo fora de casa, os paranaenses devem vencer, devido à excepcional fase que vivem na competição. E o melhor: a odd paga pela kto.com para vitória do Coxa é muito boa: 2.54.


Os textos desta coluna são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a opinião dos editores do site.

Deixe uma resposta