Imagem: Rede Esportiva

Não apenas para tentar vencer o Vasco, no sábado, mas para as outras tantas rodadas que vem por aí, é inegável a necessidade de achar qualidade em algum lugar no Brasil. Viemos tratando aqui nesse espaço, que uma melhora um pouco mais significativa dificilmente vá ser vista antes da sexta rodada. A transformação que o Xavante passa faz com que tenhamos de ter um pouco mais de paciência para ter uma avaliação definitiva do que está sendo visto. Jogadores ainda buscam sua plenitude física, outros precisam buscar Maia entrosamento entre os titulares, e outro grupo que já precisa estar no time titular.

Não irei me precipitar, por mesmo que, talvez, seja uma das pessoas que vem mais pregando calma na análise, porém, existem coisas que não se precisa esperar: se a melhora coletiva deve acontecer lá pela sexta rodada, qual o motivo de não tentar “encurtar caminho” e postergar a mesma? Será que com a entrada de nomes de maior qualidade, as coisas não podem andar de maneira mais célere? Tenho certeza que sim.

No começo da semana, no jogo-treino dos reservas contra o sub-20 do Grêmio, chamou a atenção o nome de dois autores de gols rubro-negros: Denilson e Lucas Santos. Pode ser o sopro de qualidade que falta, e que deve acelerar a melhora de rendimento dos comandados de Tencati.
Pegue essa dupla e junte aos que já “se escalaram” (Kevin e Ramon), mais os que ficaram fora do jogo passado (Neto e Jarro), muda o quadro consideravelmente do time do Brasil. E você, lépido leitor, deve perguntar: “Ué, Eduardo? E o Gabriel Terra, que pedias?” – Eu respondo: Terra e Lucas disputam a mesma vaga. E segundo informações privilegiadas que recebi, Lucas vem fazendo treinamentos bem mais interessantes que Gabriel Terra.
Se sabe que Denilson precisa de um tempo razoável para estar em condições físicas para encarar as peleias da Série B – fala-se em 4 ou 5 rodadas – mas, tu e eu, precisamos fazer esse exercício de futurologia: as coisas podem melhorar com toda essa turma no time, e principalmente Denilson, que atuou por um tempo inteiro no último jogo-treino.

Um time com Matheus Nogueira; Vidal, Camilo, Ícaro e Kevin; Romulo (Denilson), Denilson (Bruno Matias), Netto, Lucas Santos e Jarro; Ramon, convenhamos, é bem mais time que o insuficiente Brasil que vimos nas duas primeiras rodadas e no Gauchão. E coletivamente esse time pode funcionar em velocidade média para rápida.

É fato que é preciso ter qualidade, e com esse pessoal a coisa pode acontecer dentro do que o Brasil precisa e espera. Tu, torcedor, queres ver a melhora. Eu, quero ver a melhora. O presidente Nilton quer ver a melhora. O Andrezinho e todos frequentadores das arquibancadas- agora recém pintadas – querem ver a melhora. Os pássaros que sobrevoam entre as torres de iluminação da Baixada querem ver a melhora.
Todos queremos ver o mesmo. E, para chegar no ponto desejado, são necessárias duas coisas: a paciência para ver a parte coletiva acontecer, mas a necessidade de agregar qualidade para que isso não demore tanto. Que venha o sopro de qualidade necessário!

MERECE PALPITE
Grêmio e Atlético Mineiro enfrentam, respectivamente, Brasiliense e Remo. Ambos venceram na ida e devem ganhar na volta também. Acesse kto.com e dê seus palpites!

Deixe uma resposta