Foto: Rede Esportiva

Chegou ao fim um ciclo de quase 23 anos entre o Pelotas Phoenix e o treinador/coordenador Marcos Planela. O profissional anunciou em uma rede social um novo desafio para os próximos dois anos: a coordenação geral do futebol do Grêmio Esportivo Brazlândia, do Distrito Federal.

Planela terá a missão de coordenar todo o projeto de futebol do Brazlândia: masculino, feminino e ainda as categorias de base. Será responsável pela elaboração do projeto para a próxima temporada, pela nomeação dos profissionais que estarão na equipe de trabalho e a montagem das comissões técnicas.

O time masculino profissional do Brazlândia disputa a segunda divisão do Distrito Federal. O feminino será montado para o ano que vem. A base do time feminino é a que está jogando o Campeonato Brasileiro da Série A pelo Minas Icesp, que vai migrar para o Brazlândia.

Planela ainda poderá acompanhar a primeira fase das Lobas no Campeonato Gaúcho Sub-16. As Lobas vão estrear na competição no dia 4 de agosto.

“Vou em agosto, passar de 15 a 20 dias para conhecer o estádio, a estrutura, a equipe atual de trabalho. Depois desse período, volto para Pelotas. O acerto que fiz me permite estar aqui na estreia da sub-16 no Gauchão, em agosto. Vou permanecer outubro todo em Pelotas, que coincide com o final da participação do sub-16 na primeira fase. Espero deixar a equipe classificada para a semifinal”, falou.

Quem assumirá o comando técnico da equipe quando Planela efetivamente sair, após a primeira fase, será o atual auxiliar Leonardo Cardoso e Eduarda Martins, que também é auxiliar técnica. Rafael Manske, que é auxiliar da equipe B, se juntará a eles.

  • Leonardo é policial militar, formado em educação física e ex-atleta do Pelotas.
  • Rafael é acadêmico de educação física, trabalhou com categorias de base e escolinhas de futebol masculino.
  • Eduarda é auxiliar há três temporadas e ex-atleta das Lobas.

Foto: Talyssa Machado / AI ECPP

No período entre julho e agosto, Planela irá trabalhar na composição dos novos integrantes do Projeto Pelotas Phoenix: “Tenho um grupo com cerca de 15 pais que me ajudam. A ideia é definir dois casais de pais para assumir a coordenação do departamento. Pretendo fazer uma reunião com o presidente para apresentá-los e assim garantir a sequência pelo menos até o fim desta temporada. Depois, cabe a eles e ao clube pensar como ficará a partir de então, para 2020”, explicou.

Embora longe, Planela pretende continuar auxiliando as Lobas da forma que for possível: “Me disponho a seguir sendo um elo com o feminino do Pelotas, possibilitar situações de participações em alguns torneios fora, fazer o link de atletas para as Lobas poderem jogar não só no Brazlândia, mas em outras equipes em que eu conseguir contato”, comentou.

Se depender de Planela, este distanciamento de Pelotas servirá para o crescimento de ambas as partes.

“Sempre vai haver, e há, uma relação afetiva pelo tempo que eu trabalho no Pelotas, com o projeto, e por ter sido o cofundador. Então é algo diferenciado. Faz parte da minha vida durante muito tempo e as conquistas que tive no esporte, todas se devem ao trabalho desenvolvido no Pelotas. A minha passagem na seleção brasileira sub-17, na seleção gaúcha sub-23, seleção pelotense de futsal… As minhas idas a Brasília a convite da Câmara de Deputados, a minha chegada ao cargo de gerente administrativo do Pelotas, tudo isso se deve ao acompanhamento e ao reconhecimento do trabalho que eu fiz dentro do futebol feminino do Pelotas. Sempre vai haver uma relação de carinho diferenciada e uma gratidão”, agradeceu.

Foto: Talyssa Machado / AI ECPP

No entanto, era necessário alçar novos voos para modificar o ambiente de trabalho e consequentemente o crescimento e os desafios. “Já há algum tempo que penso nisso, precisava ter um novo desafio e a condição de dar um passo à frente em relação ao trabalho. Há cinco anos ou seis nós estamos tendo a limitação de dar o próximo passo de crescimento aqui no projeto, não por falta de capacidade das pessoas que trabalham, não por falta de talento e dedicação e potencial das atletas, e sim por falta de condições financeiras”, desabafou.

Finalizando a conversa com o Rede Esportiva, Planela deixou claro que não é um adeus, e pode, quem sabe, ser um até logo.

“Não quer dizer que amanhã ou depois, futuramente, não possa haver um retorno, não sabemos o que vai acontecer. Mas agora o meu foco é colocar a sub-16 do Pelotas na semifinal do Campeonato Gaúcho para que depois os componentes da comissão técnica possam chegar na final e buscar o título. Na sequência, fazer o melhor trabalho possível, dando retorno à aposta que o Grêmio Esportivo Brazlândia está fazendo ao me contratar”, encerrou.

Sob comando de Planela, as Lobas foram Campeãs Gaúchas em 2008. (Foto: divulgação / Lobas)

Em maio deste ano, o líder das Lobas concedeu uma entrevista exclusiva ao Rede Esportiva, na qual comentava as inúmeras dificuldades envolvendo o futebol feminino. Assista ao vídeo!

Deixe uma resposta