Arte: Rede Esportiva

Felipe Guedes tem contrato com o Pelotas até o meio do ano que vem e quer sair. Ok. Mas precisamos discorrer sobre isso.

Antes de começar a falar sobre o caso, lembro que sempre teci comentários elogiosos quanto a esse jogador, pois sempre achei um jogador acima da média para a realidade do futebol pelotense. E quando ele trocou o Brasil pelo Pelotas, me recordo de comentar que o Xavante havia perdido um potencial titular, enquanto o Pelotas havia ganho.

Só que lembro, para quem esteja esquecido, que o volante apareceu no material de divulgação do Brasil no dia da apresentação oficial do elenco, e dias depois desembarcou na Avenida Bento Gonçalves. Agora, de certo modo, ele quer fazer algo parecido, mas no Pelotas.

Não vejo problema nisso, pois é até “meio” normal nos dias de hoje. Aliás, nenhum time no mundo segura jogador insatisfeito. Se o atleta encasquetar que não quer ficar, ele não fica. Mesmo que o clube tente protelar sua permanência, ele vai acabar saindo. E com Felipe Guedes não será diferente. Ótimo jogador? Sim. Mas se não estiver focado em 100% na Boca do Lobo, não deve ficar. Isso vale para ele e qualquer outro jogador, em qualquer clube no mundo.

O que temos de repensar na aldeia é o perfil dos jogadores. O que adianta fazer um esforço tremendo para trazer um ótimo jogador se este pode não ficar até o final do seu vínculo? Para pensar…

———-

Sigam Canal do Eduardo Torres no YouTube@eduardootorres, no Twitter, para seguir acompanhando as opiniões desta coluna.

Deixe uma resposta