Foto 1: Luiz Erbes / AI Caxias – Foto 2: AI Manaus – Arte: Rede Esportiva

No domingo (14) ocorre o jogo de ida das quartas de final da Série D entre Caxias e Manaus. Uma das equipes, ao fim das duas partidas, terá o acesso à Série C garantido. É apenas mais uma decisão para o futebol, mas para dois atletas será bem diferente.

O meia Foguinho, do Caxias, e o zagueiro Patrick Borges, do Manaus, são amigos de infância, foram revelados pelo Pelotas e estarão jogando um contra o outro pela primeira vez. Em entrevista ao repórter Marcelo Rocha, do Jornal Pioneiro, de Caxias do Sul, eles contaram como a amizade começou e comentaram sobre a experiência de estarem em lados distintos em uma decisão importante.

Os jogadores, de 27 anos, deram os primeiros chutes juntos. “Atuamos juntos na escolinha Piazitos do Sul (em São Lourenço do Sul), no futsal, quando tínhamos seis ou sete anos. E mantivemos essa amizade”, relembrou Foguinho ao Pioneiro.

Patrick revelou ainda que deu um força para que pudesse voltar a jogar com o amigo, desta vez, em clube de futebol profissional, o Lobo: “Desde a escolinha já éramos amigos. Depois, jogávamos futebol de areia e amador juntos. Fui para o Pelotas e o Foguinho disputou um estadual juvenil pelo Grêmio Lourenciano. Daí eu dei uma ajuda para ele poder ir para o Pelotas também”, explicou Patrick, que quando jogava no Pelotas tinha o apelido de Turuçu.

Foto: AI Pelotas

Em 2010, os dois começaram a jogar profissionalmente pelo Pelotas, à época treinado por Beto Almeida e com atletas experientes Sandro Sotilli, Tiago Duarte e Alex Dias.

Foguinho atuando pela base áureo-cerúlea (Foto: André Müller)

Logo após o começo do Gauchão, Patrick foi transferido para as categorias de base do Grêmio. Alguns meses depois, Foguinho também foi para o Tricolor.

Após esse encontro no Grêmio no início da trajetória profissional, os dois nunca mais se encontraram dentro de campo, mas fora dele a amizade seguiu forte. “A gente comentou que parecia até injusto. Os dois times bateram na trave no ano passado. Este ano, queríamos subir os dois para comemorarmos juntos. Mas agora vai ser o nosso duelo e só um de nós vai passar”, lamentou o zagueiro Patrick na entrevista.

Fato é que um deles ficará sem o acesso, mas, segundo os atletas, a rivalidade será apenas dentro do campo. “A gente sempre conversou, se apoiou e se cobrou muito. As críticas são sempre construtivas. Desde que fomos para o Pelotas moramos juntos. Em Porto Alegre, também. É uma afinidade de irmão. Sabemos de onde a gente vem, conhecemos nossa essência. Sempre estivemos um do lado do outro. E agora vai ser a primeira vez que vamos ter que esquecer um pouco disso para defender nossas cores”, contou Foguinho.

Arte: Rede Esportiva

Deixe uma resposta