Foto: Victor Lannes / Rede Esportiva

No início da tarde desta quarta (2), foi anunciada a saída do técnico Felipe Endres do comando áureo-cerúleo. Após a decisão, o diretor-executivo Álvaro Prange falou em entrevista às rádios Universidade e Pelotense.

“A diretoria entendeu que era o momento mais apropriado de uma mudança porque entende que a equipe pode jogar mais do que vinha jogando. Como ainda faltam duas partidas para acabar a fase de grupos, daria tempo para o outro treinador conhecer o grupo antes dos mata-matas”, explicou.

Questionado se a primeira derrota na competição pesou na decisão da diretoria, Prange confirmou. “Pelo momento que a gente fez a mudança é inegável. Acho que pesa, uma derrota para o Bagé pesa sim. Pelo momento do clube, pelas expectativas geradas, a qualidade de todos envolvidos no processo, os jogadores, a própria comissão e tudo mais”, contou.

A expectativa é de que o novo treinador seja apresentado já nesta quinta.  ”Que seja um treinador que esteja dentro da característica de ser competitivo, entender a competição, entender o plantel, acho que a gente tem grandes condições de seguir nessa toada” falou.

O objetivo principal do Lobo segue o mesmo: conquistar uma vaga na Série D para completar o calendário do próximo ano. Caso o objetivo seja alcançado, a probabilidade da permanência do treinador é grande.

“O treinador vem com possibilidade de Campeonato Gaúcho sim, na mesma característica, conhecendo a competição, aquilo que a gente tem pela frente, a gente não muda nossa filosofia”, disse.

Confira outros trechos da entrevista:

“Quando a gente conversa com dirigentes, presidentes de outros clubes, todos são unânimes em dizer que o Pelotas é um dos favoritos. A gente continua com essa convicção. A gente entende que mata-mata é uma nova competição, um outro formato, uma nova vontade. É completamente diferente de uma fase de grupos, onde de cinco passam quatro, situações que não instigam os jogadores. O legado é de um grupo forte, com peças que já jogaram futebol de Série B do Brasileiro, por exemplo, e não são uma nem duas”.

“Nunca vi uma crítica do aspecto físico do Pelotas em nenhuma partida, acho que isso daí o próximo treinador que for escolhido recebe e com esse material ele consegue adequar o que acha necessário para conseguirmos a vaga na Série D”.

“Não é re-planejamento do elenco. Acho que o elenco carece de algumas peças para a Copinha, outras tantas para o Gauchão, acho que estava no planejamento. A gente sempre conversou com vocês que o Pelotas está de olho, se tiver alguém vamos trazer”.

“Motivado o jogador tem que estar sempre. Se tu joga um jogo de Campeonato Gaúcho e tem uma Libertadores, o teu elenco vai querer mais, focar mais, talvez essa seja a palavra, focar mais na Libertadores. No jogo do Campeonato Gaúcho talvez não esteja naquele grau de focar, de atenção e – entre aspas -responsabilidade”.

“A conversa dentro do Pelotas sempre foi do mata-mata, de a gente não incorrer no erro do ano passado. Que a gente foi o primeiro da chave e perdeu para um clube de pouca tradição”.

 

Deixe uma resposta