Em postagem nas redes sociais, o Farroupilha compartilhou uma nota em parceria com demais clubes da Segunda Divisão gaúcha pedindo auxílio financeiro à Federação Gaúcha nesse momento de crise devido ao coronavírus.

Em documento formulado pelo vice-presidente do União Harmonia, Cléu Fontoura, e assinado por representantes dos outros 14 clubes e enviado nesta segunda-feira (6) à FGF, os clubes explicam a necessidade de cada solicitante receber uma quantia mensalmente, por um período mínimo de três meses.
Os dirigentes das agremiações requerentes (Farroupilha, União Harmonia, Doze Horas, Gaúcho, Marau, Nova Prata, Novo Horizonte, PRS, Real, Riograndense, Riopardense, Santa Cruz, Santo Ângelo, São Borja e Três Passos) alegam que, como a sociedade em geral diante da calamidade pública que atacou a todos, os clubes também se encontram sem perspectiva a curto prazo.
O texto ainda cita:
Entre os 15 times que assinam o documento e pretendem disputar a Segunda Divisão Gaúcha, há 512 postos de trabalho (atletas, gestores, comissão técnica, manutenção de infraestrutura) atuando diretamente no futebol – e que estão fora do perfil para buscar ajuda do governo federal e da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que anunciou ajuda de R$ 19 milhões a clubes das séries C e D e das séries A1 e A2 do futebol feminino.
Conforme o documento, considerando que ainda não houve deliberações ou anúncio dos rumos para a Segunda Divisão, estamos sem receber a maior parte de nossas receitas, oriundas de rendas de bilheteria e de patrocinadores, mas as folhas de pagamento, os encargos sociais e demais despesas inerentes à manutenção da vida do futebol gaúcho continuam.
O pedido é para atender emergencialmente, mesmo que de forma parcial, as despesas com os contratos vigentes, firmados antes da instalação da crise e na certeza de que os campeonato seriam disputados. Os clubes pedem ajuda para evitar o encerramento de suas atividades e a posterior avalanche de reclamatórias trabalhistas, já que o inadimplemento dos pagamentos de atletas e funcionários foi a primeira consequência da paralisação das atividades. Além disso, é requerida também a isenção de taxas futuras cobradas por FGF e CBF por inscrição de atletas e rescisões contratuais, por exemplo.
Ainda não foi divulgado se haverá auxílio para os clubes da Segunda Divisão. Para as equipes da Divisão de Acesso o presidente da FGF, Luciano Ocsmann, já anunciou algumas medidas como um benefício que gira em torno de 1 milhão de reais, dividido entre os clubes.

Os clubes do Gauchão possuem verbas de outros destinos, como cotas e televisionamento e patrocínios. A CBF anunciou na tarde de segunda (6), o adiantamento de R$ 600 mil para clubes da Série B do Brasileiro – caso do Brasil, e uma doação de R$ 120 mil para clubes da Série D – caso do Pelotas. As equipes da Série C também rebeberão um aporte de R$ 200 mil. Além disso, a CBF também encaminhou R$ 120 mil às Federações.

Deixe uma resposta