A primeira vitória rubro-negra na Série B diante do América-MG foi de muito mais transpiração do que qualidade, mas a segunda, três dias depois e fora de casa, diante do Guarani, foi de encher os olhos do torcedor.

O Brasil conseguiu jogar de igual para igual diante de um bom adversário, criando boas oportunidades desde o início e, mesmo sofrendo o primeiro gol do jogo, seguiu com personalidade até o final do primeiro tempo.

Na etapa final ainda foi incisivo, pressionou na maior parte do tempo e, com justiça, virou o placar, deixando pela primeira vez em seis rodadas, a zona do rebaixamento.

Rendimento positivo contraria expectativas
Sou da opinião de que o futebol tem lógica, sim. Mas isso não significa receita determinada para sucesso ou fracasso. Organização, investimento e estrutura aumentam, e muito, a possibilidade do sucesso.

No entanto, as teses ou prognósticos de resultados são derrubadas com muita frequência. Enquanto analista, tenho o dever expor o que vejo, mas gosto de dividir o momento do trabalho.

O péssimo resultado das quatro primeiras rodadas do Xavante, sem pontuar e sequer marcar gols, parecia ser um indicativo de muito sofrimento da equipe na Série B, já que a base do Gauchão, também de campanha ruim, foi mantida e clube não conseguiu contratar reforços relevantes.

O jogo diante do Guarani renova a esperança da torcida xavante. Não significa que o Brasil passará a ser postulante ao acesso, mas demonstra, pelo menos neste momento, que o grupo tem capacidade de fazer muito mais do que apresentou no começo.

Evolução coletiva possibilitou destaques individuais
O time funcionou muito bem taticamente diante do Bugre. Claro que também teve algumas dificuldades em função do adversário. Principalmente no primeiro tempo, deu muitos espaços no meio-campo para o adversário e foi vulnerável na bola aérea defensiva. Mas o goleiro Carlos Eduardo apareceu bem e salvou o time em, pelo menos, duas oportunidades. Souza na lateral, Marcinho e Bruno Paulo, no ataque, foram decisivos para a nova vitória xavante.

Deixe uma resposta