Imagem: Rede Esportiva

A situação do Brasil no Brasileiro da Série B é periclitante. Depois de perder mais uma partida na Série B, desta vez para o Operário, o quadro é crítico, e a permanência de Claudio Tencati após o jogo contra o Vila Nova, na próxima rodada, não é considerada certa. Possivelmente, caso haja mais um insucesso do clube no certame, o Brasil deva fazer a troca no comando técnico.

No jogo do sábado pela manhã, Tencati contrariou prognósticos (pelo menos o meu). Quem esperava um Brasil jogando para empatar, todo atrás e tentando sair em escapadas, se enganou. Até o gol feito no segundo tempo, o Brasil, dentro do possível, fazia boa atuação. Víamos um time compacto, forte defensivamente e com circulação de bola no ataque. Ainda teve um pênalti no primeiro tempo, que Ramon bateu e o goleiro Simão pegou. Na etapa final, até o gol de Fabrício – mais uma vez ele se mostrou importante – o Brasil seguia com bom padrão de atuação, porém, ao fazer o gol, o time recuou demais, tanto no campo, quanto nas trocas feitas pelo técnico, que tentou segurar o resultado colocando jogadores de maior poder defensivo. Os gols do Operário foram questão de tempo, e deram a vitória ao time paranaense.

Ao final do jogo, mais uma vez se viu um Tencati arredio na coletiva. Como de praxe, ele achou alvos para os problemas apresentados, e desta vez sobrou para o grupo. O comandante colocou na imaturidade do grupo a questão de ter recuado, e que ele já notou onde estão os problemas. Falou em falha de comunicação nos gols, que o time começa bem e não consegue manter o nível técnico e que, se preciso, pode fazer mais mudanças no time.
Obviamente, que com os parcos resultados positivos, o trabalho do comandante já é bastante questionado, bem como o do gerente de futebol, Fernando Leite. Perguntado sobre, ele tentou se mostrar tranquilo. Disse que não podia responder uma pergunta daquelas, pois cabia apenas à direção. Mas que se chegasse em um ponto que as coisas piorassem ainda mais, ele sentaria com a direção para fazer uma análise do quadro, e se tivesse de sair, saíria: “Isso a direção que precisa dizer. Eu sei o que estou fazendo, e entendo as cobranças. A falta de resultados é um problema. Não estou aqui para dar o conto da caroxinha, não. Eu não vou atrapalhar o Brasil. Se acharem que não dá mais para seguir o trabalho, a gente senta e analisa, como já viemos fazendo, mas aí para definir isso.” – disse.

Por outro lado, acertadamente, o técnico deu um recado importante: “Ao Brasil, com Tencati ou sem Tencati, é necessário ir ao mercado, buscar jogadores experientes e com qualidade. Faltam 9 jogos para acabar o turno, e precisamos chegar no final próximo dos 20 pontos, ou passar disso.”
Pipocam inúmeras notícias que o jogo contra o Vila Nova será o balizador. Em caso de mais uma partida sem derrota, a mudança no comando técnico deve ocorrer. Por outro lado, uma vitória poderia dar uma improvável sobrevida ao técnico. Outro que está sendo avaliado constantemente é o gerente de futebol Fernando Leite, que conta com grande simpatia do presidente Nilton Pinheiro, mas vem sendo alvo de muitos questionamentos e insatisfação por parte de membros da direção e conselheiros.
Independentemente do que ocorrer em solo goiano, a certeza é de que a quinta-feira(a delegação tem chegada prevista para a quarta) será movimentada na rua João Pessoa.

MERECE PALPITE

Pela Série B, na noite de hoje, o líder Náutico enfrenta a Ponte Preta, e em grande momento, deve vencer. A KTO.com tem odd de 1.79 para vitória do Náutico, e é uma aposta considerada segura.


Os textos desta coluna são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a opinião dos editores do site.

Deixe uma resposta