O clima de tensão foi instaurado no Bento Freitas e os bastidores seguem em alerta para futuras mudanças. Os maus resultados dentro de campo, os protestos da torcida e as incertezas da direção colocam em dúvida o futuro da presidência do clube.

Nesta quinta-feira (6), o repórter da Rádio Universidade Marcelo Prestes entrevistou o vice-presidente de futebol do Brasil, Giovanni Alcântara. Na pauta da conversa, esteve uma reunião com torcedores, os pedidos realizados e o futuro da direção.

Giovanni Alcântara, vice-presidente de futebol do Brasil (Foto: Victor Lannes)

Protestos
O Brasil não faz uma boa campanha no Campeonato Gaúcho. A equipe não marcou gols, não venceu e está com apenas um ponto de 12 disputados. A má fase fez com que a torcida realizasse protestos na tarde de quarta pedindo por mudanças. Além disso, outro fator questionado pela torcida e motivo do pedido pela saída do presidente Ricardo Fonseca é a as dívidas e finanças do clube.

Foto: reprodução / whatsapp

Na ocasião, um grupo de torcedores parou o ônibus da delegação xavante que estava indo para o treino e fez algumas cobranças. Gustavo Papa e Cirilo tentaram conter os ânimos e conversaram com os presentes. Em entrevista coletiva, o capitão Leandro Leite legitimou o protesto. “Torcedor está no direito de cobrar. Temos que aceitar e trabalhar para a situação melhorar. Nesse momento é mais importante o resultado do que a atuação”, disse.

Foto: divulgação

Na manhã desta quinta, Alcântara e membros da direção receberam alguns torcedores para uma conversa. “Realmente a torcida está descontente e não é para menos, o time não está rendendo. A torcida veio cobrar e dar a sua contribuição neste momento difícil do Brasil. Nós conversamos tranquilamente, sem problema nenhum. Hoje de tarde teremos outra reunião com outra torcida. Eu estou à disposição para qualquer tipo de conversa com a torcida”, disse.

Dentre os pedidos colocados pelo grupo de torcedores durante a reunião, a saída do gerente executivo Edu Pesce foi um deles. “Isso passa muito mais pela própria presidência do que a gente tomar alguma decisão agora correndo. A gente precisa avaliar, o Edu desempenha um ótimo papel dentro do Brasil. Temos que ponderar muito bem isso aí”, falou.

Torcedores pediram a saída de Edu Pesce, gerente executivo do Brasil (Foto: Victor Lannes)

Apesar do bom trabalho, Alcântara ressalta que todos os que estão no clube têm a possibilidade de sair. “O clube são várias peças, não depende de uma única peça, um único profissional ou uma única pessoa. É um time, um conjunto, um plantel de funcionários, colaboradores, apoiadores, jogadores e comissão técnica. Ninguém tem cadeira cativa, se for para o bem do clube e se decidirem que tem que sair, aí a gente vai colocar isso em prática. Mas tem que ser bem avaliado. As vezes na emoção e no calor da questão, tentando achar o culpado a gente pode cometer alguma injustiça. Tudo está sendo avaliado e conversado para que a gente possa tomar a melhor decisão em nome do clube. Temos sempre que pensar no clube. Se não, daqui a pouco eu estou pensando que estou resolvendo um problemas mas estou criando outro”, comentou.

Outro pedido foi a contratação de reforços para o elenco. Sobre isso, Alcântara disse que o clube está atento ao mercado e analisando as possibilidades. “Temos algumas carências que precisam ser supridas e que certamente serão”, afirmou. Um desses reforços é o meia Gegê que já está treinando com o grupo e logo deve estar em condições de jogo.

Uma preocupação clara do dirigente e de boa parte da torcida é com o curto tempo do Campeonato Gaúcho. O Brasil não está classificado para a segunda fase do primeiro turno e o segundo tem apenas seis partidas para quem não avançar. O mais preocupante é a possibilidade de rebaixamento. Após os dois turnos, os dois últimos cairão para a Divisão de Acesso. Neste momento, o Xavante seria um deles.

O mandato do presidente Ricardo Fonseca acaba neste ano. No cargo desde 2012, a renúncia está sendo tratada como opção neste momento de turbulência. “Isso passa pela cabeça dele (Fonseca). Obviamente são as possibilidades que ele têm, ficar ou renunciar. Ele já está há bastante tempo no cargo e são questões que ele avalia com ele mesmo, com a família, com a direção, até com a imprensa. Como eu digo, qualquer saída, mudança, tem que pensar se isso vai ser benéfico para o clube. Temos que ter calma, isso até combinei com a torcida, para esperar o jogo de sábado, dar uma trégua, deixar os jogadores treinarem. Vai passar muito pelo jogo sábado. Vai ser o jogo do ano”, disse.

Caso aconteça a renuncia por parte do presidente, Alcântara contou que a saída ou não do restante da direção será avaliada. “Todo mundo sair fica complicado. Nós estamos administrando o clube, nós sabemos dos problemas do clube, então de um hora para a outra todo mundo sair é complicado. Tem muita coisa ainda para ver, passa pelo jogo de sábado, por enquanto não tem nada decidido”, falou.

Em meio às incertezas, Alcântara demonstrou esperança na recuperação dentro de campo. “Penso eu que vamos ter um bom resultado no sábado (contra o São José pela última rodada do primeiro turno), vamos nos classificar na Copa do Brasil e aí vamos ficar mais tranquilos para o início do segundo turno do Campeonato Gaúcho”, desejou.

Foto: Victor Lannes

Com relação ao trabalho do treinador Gustavo Papa e da comissão técnica, Giovanni pediu paciência aos torcedores. “Eu confio no trabalho do Gustavo Papa. O time está evoluindo, o jogo contra o Esportivo foi muito bom, caiu um pouco lá contra o Caxias, mas são coisas que estamos avaliando também. Eu acredito que vai passar por essa vitória de sábado para dar tranquilidade e que não vão ser necessárias as mudanças por enquanto”, falou.

Deixe uma resposta