Foto: Victor Lannes / Rede Esportiva

A vantagem conquistada pelo Pelotas no último final de semana não é assunto na Boca do Lobo. Embora tenha saído na frente na disputa das oitavas de final da Copa Seu Verardi, com uma vitória por 2 a 0 sobre o Cruz Alta, o técnico Antônio Picoli destacou que não há nada decidido.

Em entrevista coletiva antes da partida decisiva desta quarta (23), o treinador revelou a conversa que teve com os atletas antes da partida de ida. “Não subestimem. Entrem para vencer. Se fosse um a zero, não interessa. Vence o jogo. São características diferentes. Nós temos condições sim de avançar na competição mas isso tem que entrar em campo. Não pode subestimar a competição. Ela vai afunilando, esse tal de mata-mata é, na minha opinião muito pessoal, uma forma de oportunizar aqueles que talvez não invistam tanto”, disse.

Estar em vantagem, contra um time de menor tradição não é uma situação confortável para Picoli. “É um dos momentos mais difíceis pro treinador trabalhar. Questão anímica da situação toda (…) Já falei pós-jogo lá, não altera em nada meu pensamento, vai para dentro de campo todos que estiverem na melhor condição. Hoje eu já conheço melhor esse grupo, já sei o que podem me dar e não vejo a necessidade de ficar poupando. Existe um risco de você dentro do jogo perder um atleta por outra situação, mas aí é do jogo”, comentou.

O técnico foi enfático ao falar sobre um aspecto que quer ver evolução do time. “Fazer dois tempos intensos. Nós ainda não fizemos isso. Pode ser que alguém até diga que é impossível fazer dois tempos, não, depende do que é a intensidade conceitual, aquilo que é passado para o atleta. Intensidade para mim é: poder de concentração o tempo todo e buscar fazer aquilo que foi treinado o tempo todo. Ainda tá faltando isso, e nós não vamos chegar em todas as fases da competição vivendo de um tempo de jogo”, analisou.

Para o jogo de volta contra o Cruz Alta, a expectativa é que se mantenha a mesma escalação do primeiro confronto. “A ideia é a manutenção, porque eu vejo uma característica muito igual de jogo. (…) Sinceramente não penso em mudar na equipe para este jogos. Até porque daqui a pouco aquilo que eu posso estar pensando em criar durante o jogo eu queimo logo na saída e volto para a mesmice. Quero coisas diferentes. Talvez seja a grande arma para a gente melhorar agora, o conjunto”, falou.

Na tarde de terça-feira foram sorteados os confrontos e mandos da sequência da competição. O que ainda não está em pauta entre a comissão áureo-cerúlea que ainda pensa nas oitavas.

“Temos condições de fazer uma competição interessante. Com o pezinho no chão, sabendo que tem muita armadilha. As vezes você olha só para as pedras grandes e tropeça nas pequenas. A gente já viveu isso na carreira de atleta e hoje como comandante também. Experiência é quando a gente aprende com o que viveu, vamos ficar atentos nisso”, afirmou.

Arte: Rede Esportiva

 

Deixe uma resposta